Superbactéria fecha emergência do IMIP

Só hoje, 54 grávidas estão sendo atendidas no HAM, que tem capacidade para 15 pacientes. Foto: Cortesia

A emergência obstétrica do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP) estaria fechada desde o início desta semana. A medida teria sido tomada após ser detectada a presença de uma superbactéria na UTI neonatal do Instituto. O fechamento da unidade estaria sobrecarregando outros hospitais da rede pública, como o Hospital Agamenon Magalhães, o Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam),  Hospital das Clínicas, além das maternidades municipais.


Procurada pela reportagem do Diario, a assessoria do  IMIP afirmou, em nota, que "a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal encontra-se no momento com internamento restrito em decorrência das atividades de desinfecção do referido serviço, com previsão de retornar ao pleno funcionamento nas próximas 24 horas". Por sua vez, profissionais do Cisam confirmaram que o Imip estaria fechado por conta do "agente infeccioso".

No Agamenom Magalhães (HAM), as grávidas estariam se amontoando na triagem e no corredor do quarto andar do prédio, onde fica o centro obstetrício. "Nesta quinta-feira, há 54 grávidas prontas para dar a luz, sendo preparadas pelas enfermeiras e técnicas para o parto, enquanto a capacidade é para 15 pacientes", disse um funcinário do HAM que não quis se identificar. Segundo ele, o setor de triagem, que funciona no térreo da unidade, também estaria lotado.

De acordo com o funcionário do HAM, por conta da superlotação, até mesmo a sala expurgo, utilizada para armazenar dejetos, estaria sendo utilizada para receber as pacientes. Segundo profissionais da enfermagem do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), há uma sobrecarga maior nos hospitais da rede pública por conta da superbactéria. "São poucos leitos e muita mulher. Nós já trabalhamos com a superlotação. Então quando fecha uma UTI sobrecarrega ainda mais hospitais da rede", relata Benita Spinelli, que trabalha na superintendência de enfermagem do Cisam.

"Devido à superlotação nas maternidades tem acontecido infecções nas unidades neonatais. E essas infecções têm ocasionado o fechamento delas. Inclusive uma das bactérias, a Escherichia coli, tem levado alguns recém-nascidos a desenvolver um quadro de enterocolite infecciosa - inflamação no intestino", explica a gerente da enfermagem obstétrica do Cisam, Carla Cristiane de Araújo.




Diário de Pernambuco

Previous Post
Next Post

post written by:

0 comentários:

AVISO:
Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a nossa opinião. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Mata Sul poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada..